Bioeconomía

Um conjunto de fatores é determinar um novo cenário global. Não se trata apenas de condições geopolíticas no contexto de um mundo multipolar que anuncia um novo futuro, mas um conjunto de megatendências que afetarão os governos e seus cidadãos; estamos, sem dúvida, diante do advento de um novo paradigma tecno-produtivo, que vem da mão da convergência tecnológica e da revolução biotecnológica.

Essas tendências globais – de acordo com várias análises – estabelecem novas oportunidades e desafios para a humanidade. Entre os mais mencionados estão:

A evolução demográfica – com crescimento nos países em desenvolvimento, com grandes migrações e um futuro urbano e não rural.
A revolução tecnológica e a convergência – destacando o papel das tecnologias da informação e da comunicação e o surgimento da nanotecnologia.
A globalização acelerada – com maior interdependência científica e tecnológica, maiores fluxos de comércio e investimento, e a conformação de novos regionalismos e acordos de comércio livre parcialmente sobrepostos.

Os diferentes cenários futuros que estão configurados em face dessas tendências globais já levantam a necessidade de discutir uma estratégia regional no âmbito da nova Bioeconomia

Estas são as principais tendências a serem consideradas para o futuro, é necessário mencionar certos riscos e incertezas que permanecem abertas: desigualdades dentro e entre países, esgotamento de recursos não renováveis, aquecimento global e crises financeiras e alimentares. Os diferentes cenários futuros que estão configurados em face dessas tendências globais já levantam a necessidade de discutir uma estratégia regional no âmbito da nova Bioeconomia, definida como o uso da biomassa de forma inovadora para agregar mais valor localmente e gerar novas oportunidades produtivas de forma sustentável.